Negacionismo e decisões políticas estão sentenciando à morte os profissionais de saúde

Trabalhadores da saúde são, sem dúvida alguma, os mais afetados pela pandemia de Covid-19. Não bastasse o maior grau de exposição ao novo Coronavírus, os profissionais da área ainda lidam com a situação caótica dos hospitais, com falta de leitos, medicamentos e equipamentos, fila de espera para atendimento e quantidades reduzidas de pessoal diante do volume de trabalho.

Esse cenário, resultado direto da falta de articulação do poder público para combater o Coronavírus, contribuiu para uma estatística estarrecedora.  Durante o período de pandemia, o número de mortes entre profissionais da saúde aumentou 25% em todo o país. O patamar é ainda maior entre profissionais da Enfermagem: alta de 32% em relação ao ano anterior.

No total, quase seis mil profissionais da Saúde já perderam a vida no Brasil desde março do ano passado, dos quais pelo menos 1.400 estavam infectados com o Coronavírus.

Só no Paraná, foram 692 óbitos no total, de acordo com o Portal da Transparência de Registro Civil, que reúne dados de todos os cartórios do país.  Segundo a Secretaria de Estado da Saúde do Paraná (SESA-PR), pelo menos 319 dessas mortes foram causadas pela Covid-19.

Omissão

Apesar de impactantes, esses números, infelizmente, não são surpreendentes. Eles representam a combinação de alto risco de contaminação com o estresse e exaustão causados pela rotina de trabalho. São fatores que poderiam ter sido evitados se os governantes tivessem tomado as medidas necessárias.

Ao desdenhar da pandemia, menosprezar seus perigos e não articular uma frente séria e estruturada de combate à doença, governantes das diferentes esferas (federal, estadual e municipal) não só permitem a disseminação do vírus em todo o país, como abandonam os profissionais de saúde à própria sorte.

Essa omissão frente a pandemia está matando os profissionais de saúde e seus familiares.

A sentença de morte para os profissionais da área foi possível a cada declaração negacionista do presidente Jair Bolsonaro e de govenadores, como Ratinho Jr. A cada decreto estadual ou municipal publicado para flexibilizar medidas de isolamento, para atender interesses de empresários. A cada vez que alguém replica uma propaganda que promete a (falsa) cura da Covid-19 com o uso de medicamentos ineficazes.

São todas ações que reforçam o comportamento irresponsável e ajudam no descontrole da pandemia. No final, sobra para os profissionais da saúde. Pois quanto mais pessoas contaminadas, maiores são as necessidades de atendimento nas unidades hospitalares, e maiores os riscos para quem está na linha de frente.

Tanta negligência está custando a vida nossos amigos, colegas e companheiros de trabalho.

É preciso deixar claro que toda essa tragédia poderia ter sido evitada se a maioria dos governantes e dos políticos priorizasse a vida, mas não é isso que vem acontecendo no Brasil neste último ano.

Fonte: Sindesc

Posts recentes